A televisão na Espanha

Falar sobre a programação da tv de um país, é falar sobre um povo... da sua educação, do seu nível intelectual, cultural, social e também do seu grau de exigência para esses valores.

Eu escrevi no Tãmbler que a tv na Espanha é muito, mas muito ruim. Os telejornais são uma porcaria, parciais, superficiais, comprometidos com seus próprios interesses. As séries espanholas são feias, má produzidas, os roteiros são penosos. Só existe uma exceção: a televisão pública. Os demais programas de entretenimento têm um ar entre Silvio Santos, Gugu Liberato e Passa ou Repassa. Tudo é meio show de calouros, meio reallity, meio exagerado e fake. Os programas repetem formatos, enjoam e deixam claro que falta dinheiro. É a crise. Mas a culpa não é só dela... antes também era assim. Menos monótono, quem sabe. Mas era.

Para os interessados, meus amigos que trabalham no setor dizem que os programas aqui se dividem em 3 categorias: "amarillo", "rosa" e "blanco". Os amarelos são os sensacionalistas, os rosas, também conhecidos como "de corazón", são os de fofoca e os brancos são mais objetivos e procuram aportar conteúdo de qualidade.

Entre os amarelos e rosas se destacam (como não?) os reallitys e sobretudo o BBB, que esse ano estreiou sua 13ª edição (!!), com récode de audiência. Ultimamente o "ibope" do programa tem caído, o quê não é necessariamente uma boa notícia, pois os produtores amarelo-rosas da indústria televisiva espanhola não desistem. Os espectadores estão emocionados com o último lançamento:





Entre os participantes temos uma mãe que procura namorado para seu filho gay, uma ex prostituta que quer conquistar pacote gatinho + sogra e um monte de sogronas loucas para bater boca, lavar roupa suja e dizer palavrão na telinha.

Sim. Dizer: "a tomar por culo" na televisão espanhola, é normal. Mas tem coisa pior! Nesse tal de programa tem uma possível sogra que vetou o namoro do filho com uma candidata porque ela era negra. Sim, porque era negra. A coisa vai por esse nível.

Conto tudo isso porque reclamamos da tv brasileira. O quê quero dizer é que a televisão comercial e aberta é assim. E já disse que aqui existe uma única excessão; a tv pública. Você acharia normal ligar a TV Cultura e ver A Vida de Brian do Monty Python numa quarta feira qualquer? Deveria ser, né?
Aqui é. Ver a 1 ou a 2 normalmente é encontrar um copo d´agua no deserto. Um deserto quente, infinito e internacional.


(Mais? No Tãmbler!)

9 comentarios:

  1. anlene gomes disse...:

    Oi Isabela, vim conhecer teu blog e avisar que vou inclui-lo no Mundo Pequeno (http://www.mundopequeno.com/), uma lista de blogs que ajudo a administrar. Bj

  1. Que ilusión, Anlene!!!
    Obrigada! :)

    Poderei usar aquele selinho lindo e tudo? :)

    um abraço.

  1. anlene gomes disse...:

    Claro, já foi incluído e o selo é só copiar lá mesmo ou posso te mandar por e-mail. Bj

  1. bru disse...:

    "¿Quien quiere casarse con mi hijo?" hahahah Que ridículo. Adorei a divisão entre amarelo, branco e rosa. Aqui tem amarelo e rosa de monte, e branco tá em falta. Bom, nesses tempos que tenho conhecido muita gente de outros países eu sempre pergunto sobre a programação da televisão, e as respostas são sempre as mesmas. Triste. Beijoss

  1. Raul disse...:

    Isa!
    Hahaha A TV daqui é mesmo uma piada constante. Ainda que haja exceções, como a TV3 ou a La2 ou a LaSexta, no geral a coisa está mesmo feia. O quê me deixa feliz é que as exceções transmitem pela Internet, então nem aparelho de TV é necessário nos dias que correm. Menos um eletrodoméstico para carregar! :D
    Beijo, Raul.

  1. é Raul!
    Tinha esquecido de falar da Sexta, que é boa mesmo!

    e viva a Internet!!! :)

  1. ridículo demais, né?
    Os formatos brancos, no Brasil, normalmente estão na tv fechada. Até nisso somos elitistas. Aqui, a maioria deles está na tv pública. Ao contrário.

    Agora quando vc perguntar pro pessoal, pode comentar da tv aqui na Espanha tb :)

    Beijos!

  1. Anônimo disse...:

    isso daí é uma merda

  1. Anônimo disse...:

    pelo jeito dale brasil

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget